Os símbolos e representações femininas da arte cemiterial no período republicano do Rio Grande do Sul/ Brasil (1889-1930)

Clarisse Ismério

Resumen


Resumo

A educação feminina no Rio Grande do Sul foi marcada pela influência do discurso positivista republicano, que reforçou a mentalidade conservadora, cujo objetivo era tirar a mulher do campo profissional e científico. Esse discurso é bastante difundido nas manifestações culturais e na arte cemiterial, no qual a finalidade maior era consolidar junto ao imaginário popular o símbolo da perfeição feminina, inspirado em Clotilde de Vaux, personificação da Religião da Humanidade. Podemos perceber, através da análise da arte cemiterial, que tais representações visavam educar a população e, principalmente, a mulher, conscientizando-a de seus deveres e de seu lugar dentro da sociedade.

 Palavras ChaveRepresentações femininas, arte cemiterial, mentalidade conservadora. 

**********************************************************************

Female symbols and representations cemiterial art in the Republican period in the state of Rio Grande do Sul-Brazil (1889-1930)

Abstract

Female education in Rio Grande do Sul was marked by the influence of the republican positivist discourse that reinforced the mentality conservative, whose goal was to take the woman away from their professional and scientific field. This discourse is widespread in cultural events and cemeterial art, in which the greatest purpose was to consolidate near the popular imagination the symbol of feminine perfection, inspired by Clotilde de Vaux, the personification of the Religion of Humanity. We can see through the analysis of cemeterial art that such representations were intended to educate the public, and especially women, raising awareness of her duties and their place in society by manipulating the popular imagination with symbols and signs.

 

Key Words: Representations, womanly, cemeterial art, conservative mentality.

**********************************************************************

 Los símbolos y representaciones femeninas del arte cementerial en el  período republicano en el estado de Rio Grande del Sur –Brasil (1889-1930)

Resumen  

La educación femenina en el Estado de Río Grande del Sur estuvo marcada por la influencia del discurso positivista republicano que reforzó la mentalidad conservadora, cuyo objetivo era alejar a la mujer del campo profesional y científico. Ese discurso es bastante difundido en las manifestaciones culturales y en el arte cemiterial, en el que el mayor propósito era consolidar em el imaginario popular el símbolo de la perfección femenina, inspirado por Clotilde de Vaux, personificación de la Religión de la Humanidad. Podemos percibir a través del análisis del arte cementerial que tales representaciones tenían la intención de educar al público, y especialmente a las mujeres, dando cuenta de sus obligaciones y de su lugar dentro de la sociedad, manipulando la imaginación popular con símbolos y signos.

 

Palabras Clave: Representaciones, mujer, arte cementerial, mentalidad conservadora.


Palabras clave


Representações femininas, arte cemiterial, mentalidade conservadora.

Texto completo:

PDF

Referencias


BASTIANELLO, Eliane M. Tonini. Os monumentos funerários do Cemitério da Santa Casa de Caridade de Bagé e seus significados culturais: memória pública, étnica e artefactual (1858-1950). Dissertação de Mestrado do Programa em Memória e Patrimônio Cultural d Universidade Federal de Pelotas, 2010, págs. 57-62.

BELLOMO, Harry. A Produção Da Estatuária Funerária em Porto Alegre. In Rio Grande do Sul. Aspectos da Cultura. Porto Alegre: Martins Livreiro, 1994.

BELLOMO, Harry. In FLORES, Hilda (org.). Vidas e Costumes. Porto Alegre: Nova Dimensão, CIPEL, 1994.

BOEIRA. Nelson. O Rio Grande de Augusto Comte. In. RS: Cultura & Ideologia. Porto Alegre: Mercado Aberto,1980.

BONES, Elmar. O General que não aceitou a paz. In. Correio do Povo. 20 de setembro de 1995, XVIII.

BORGES, Maria Elizia. Arte funerária no Brasil (1890-1930) ofício de marmoristas italianos em Ribeirão Preto. Belo Horizonte: Editora C/ Arte, 2002.

CARVALHO, José Murilo. A Formação das Almas. São Paulo: Cia das

Letras, 1993.

CHARTIER, Roger. Introdução. In: A história cultural. Lisboa, Difel, 1990.

FLORES, Moacyr. História do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Nova Dimensão, 1993, p. 148.

FLORES, Hilda A. Hübner. Sociedade: Preconceitos e Conquistas. Porto Alegre: Nova Dimensão, 1989.

HUNT, Lynn. Revolução Francesa e Vida Privada. In. DUBY, George &

ARIES, P. História da Vida Privada. São Paulo: Cia das Letras, vol. 4, 1992.

ISMÉRIO, Clarisse. As representações do feminino na educação rio-grandense segundo o discurso positivista (1889-1930). In. Revista Eletrônica História em Reflexão – Vol. 1 - n. 1 – U FGD: Dourados, Jan/Jun 2007. Disponível em: http://ojs.ws.ufgd.edu.br/index.php?journal=historiaemreflexao&page=article&op=view&path%5B%5D=484&path%5B%5D=353 Acesso em 21 julho de 2016.

ISMÉRIO, Clarisse. Mulher: A Moral e o Imaginário 1889-1930. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1995.

JUNG, C. G. Símbolos da Transformação. 2.a ed., Petrópolis, Vozes, 1989.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História e história cultural. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2004.

SILVA, Sérgio Roberto Rocha da. A Representação do Herói na Arte Funerária do Rio Grande do Sul (1900-1950). Dissertação de Mestrado, UFRGS, Porto Alegre, 2001.

VOVELLE, Michel. Ideologias e Mentalidades. 2a ed., São Paulo: Brasiliense, 1991.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 Grafía

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.

Revista Grafía - Facultad de Ciencias Humanas - Fundación Universidad Autónoma de Colombia